Arquivo da categoria: Nova Era

Sobre a Transição Planetária – por Diogo Beltrame.

planetas3

 ” Aquilo que vem sendo chamado de nova era não é algo conclusivo ou algum tipo de salvação externa. Não se trata de algo à parte da humanidade e não existe nenhuma garantia que essa mesma humanidade será salva dos seus egos que criam todos os problemas do mundo.

O planeta entrou em uma nova era, em um novo ciclo. É isso que denominamos como transição planetária. Esse planeta está passando por um processo de ascensão por estar adentrando em dimensões mais sutis no que diz respeito a sua vibração eletromagnética, contudo é extremamente importante compreender que tudo está sendo criado a cada momento e que a matéria toma forma de acordo com a vontade coletiva.

Essa transição planetária é composta por um apoio energético que traz para o consciente aquilo que está no inconsciente através das situações externas que espelham a escuridão que existe dentro de cada indivíduo. É nesse momento que a decisão de aceitar o que está dentro de si e trabalhar no sentido de transcender essa sombra criada pelo medo é tomada ou não. Ninguém está sendo forçado a nada e cada indivíduo, seguindo o seu livre arbítrio, está tomando a sua decisão a partir das escolhas comportamentais que está tendo diante daquilo que está se manifestando em suas mentes e consequente materialização no mundo físico. A ação divina que está acontecendo neste exato momento é essa, nada mais que isso. A opção de escolher entre o amor e o medo está para todos, pois todos estão sendo impactados por essa energia constituída por partículas de fótons que trazem em seu núcleo subatômico as in-formações da verdade. Qualquer outra informação com dizeres otimistas que afirmam estar tudo dentro dos planos mais elevados, e que em breve a humanidade experimentará o paraíso, não passam de meras distrações criadas pelas forças contrárias à da luz para confundir até mesmo aqueles que se consideram despertos.

O mundo e as experiências individuais foram construídas sobre as premissas do medo, e a partir disto ocorreu a distorção da realidade pelo fato dela estar camuflada por esse mesmo medo. Uma pessoa com medo passa a agir motivada por ele, portanto cria a sua realidade tendo como base o terrorismo mental e o único objetivo de se defender. Essa é a causa de todos os problemas do mundo e de toda infelicidade tão comum na vida cotidiana das pessoas. Esse tipo de comportamento se desdobra em diversas formas de manifestações e todas conduzem ao sofrimento.

Mas, em última instância, o medo é uma ilusão que ganhou significado, portanto cabe a cada indivíduo entrar em contato com os seus medos e descobrir através deste enfrentamento que tudo isso não é real. Todo medo é uma projeção da mente e somente compreendendo isto é que a pessoa deixa de dar significado à ele.

Continua….

Diogo Beltrame.”

Original: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1193658290756007&set=a.265068226948356.57750.100003355422662&type=3&theater

* Respeite os créditos do autor ao compartilhar!

Metamorfose

separação

 

Metamorfose

Como posso me sentir tão separado, quando na verdade eu sou um coletivo?
Como posso me sentir tão indigno se eu sou uma parte de Deus?
Como posso me sentir tão incapaz, se no meu coração está o Criador?
Como posso me sentir tão feio quando o divino está em mim?
Como posso me sentir tão sozinho quando os anjos me cercam?
Como posso me sentir tão insignificante quando eu causo a expansão do Universo?
Como posso me sentir tão estranho se eu sou a perfeição final?
Como posso me sentir tão longe de casa no planeta onde nasci?
Como posso sentir falta da família com os pais e irmãos do meu lado?
Como posso desejar amor quando a palavra é dita para mim constantemente?
Como pode o sol nascente ser o meu pai, e a terra debaixo dos meus pés ser a minha mãe?

Como pode uma estrela cadente ser tão mágica?

Como pode o vento ser o meu conforto, e a chuva minha purificação?
Como a Lua pode ser meus ciclos?
Como pode a chama de uma vela falar comigo, ou um riacho murmurante cantar o meu nome?
Como pode o coração da terra bater com o meu, e a brisa doce cantar-me uma canção de ninar?
Pois quem sou eu, uma parte do todo?
O sangue nas minhas veias tem suas origens nas estrelas, e o Universo é a minha casa.
Os planetas são meus irmãos e a galáxia é onde moramos.
Nós rodamos juntos na dança sagrada, todos são um e um são todos, e a dança continua.

E à medida que voamos através da vastidão do espaço, a escuridão é o nosso abraço.
E nós somos estrelas, nossa luz brilha de dentro.
Nós sempre fomos e sempre seremos,.. na dança interminável.
E ainda assim,.. como isso pode ser?

Angel (texto postado no face)